#myGallery{ width: 200px !important; height: 100px !important; overflow: hidden; }

5 de novembro de 2012

Simulação: As primeiras 48 horas após um ataque do Irã

Por Yaakov Lappin


INSS jogo de guerra simula cenário de conflito regional de um ataque unilateral israelense sem a participação dos EUA.

IAF F-15s refueling midflight [file]  Foto: Baz Ratner / Reuters
 
O Instituto de Estudos de Segurança Nacional realizou um jogo de guerra recentemente em que os jogadores que representam os intervenientes regionais simuladas as primeiras 48 horas depois de um ataque do IDF sobre a República Islâmica.
A simulação foi baseada no cenário de um ataque unilateral israelense sem a participação dos EUA, após a meia-noite de 9 de novembro.
A Universidade de Tel Aviv com base no instituto começou o jogo com o "anúncio" seguinte: "Al Jazeera relatou que aviões israelenses atacaram instalações nucleares no Irã, em três ondas de assalto. Na sequência dos relatórios, Israel anunciou oficialmente que atacou instalações nucleares no Irã, já que não tinha outra escolha. "
  Neste cenário, a greve destruído com sucesso instalações nucleares e definir o programa iraniano de armas nucleares de volta por três anos.
Como parte do exercício, o Irã respondeu com força total, disparando cerca de 200 mísseis Shihab em Israel, em duas ondas, e convidando seus procuradores, o Hezbollah, o Hamas e outras organizações radicais, para atacar Israel.  Na primeira, o Irã se absteve de atacar alvos norte-americanos na região do Golfo Pérsico no jogo de guerra.
No jogo, Israel, apoiada por um ataque bem-sucedido, tentou absorver os ataques ao tentar de acalmar a situação e chegar a um fim das hostilidades o mais rápido possível.
A comunidade internacional ficou paralisada devido a tentativas da Rússia de explorar a situação para avançar seus interesses estratégicos.
"Depois de dois dias, os iranianos, e, em menor grau, os seus aliados, continuam a atacar Israel.  A crise não parece estar se aproximando de uma solução ", concluiu o INSS no final do jogo de guerra.
Dentro das primeiras 48 horas, Israel realizou um ataque aéreo de quarta sobre o Irã para completar a destruição de um site principal nuclear.
  "O objetivo estratégico de Israel era para evitar uma escalada regional e se esforçar para chegar a um nível em que os incidentes estavam sob controle, em baixa intensidade, tão rapidamente quanto possível", disse o INSS.
Embora os EUA não foi notificado com antecedência, Washington claramente do lado de Israel e não expor divisões, a fim de mostrar uma frente unida e diminuir as chances de uma conflagração regional.
  Os EUA indicou sua disposição de retornar à mesa de negociações com o Irã e para aliviar as sanções em troca de contenção do Irã e um anúncio iraniano de que nucleares atividades militares haviam cessado.
Os EUA ficaram  fora da luta, com base em uma política que só se envolver, se o Irã fosse para desligar a rota do petróleo globalmente importante do Estreito de Ormuz, ou se o Irã atacar ativos dos EUA no Golfo.
Na primeira, Teerã se esquivou de um confronto militar com os EUA, mas, os participantes do jogo encontrados, "O Irã mais foi empurrado para um canto e suas opções para ato tornou-se limitada, mais ele entendeu que seu cartão principal é agir contra os EUA no Golfo e para fechar o Estreito de Ormuz ", disse o INSS.
  Libanesa do Irã xiita Hezbollah procuração se viu em um dilema no jogo. Por um lado, foi sob pressão iraniana pesada para disparar barragens maciças de mísseis e foguetes contra Israel. Teerã disse Hezbollah que este era "o dia do julgamento" - o Hezbollah razão muito haviam recebido cerca de 50.000 projéteis.
Por outro lado, o Hezbollah foi dissuadido pelo medo de mais uma vez causando danos generalizados ao Líbano.
"Por isso, optou por responder parcialmente a exigências do Irã, foguetes e mísseis atirando em alvos militares em Israel, principalmente aeroportos e sistemas de defesa ativa", disse o INSS.
"A resposta de Israel contido afiada dilema do Hezbollah e reforçou a sua decisão de demitir barragens relativamente limitados, e se concentrar em alvos militares", acrescentou.
O jogador que representa o Hamas também escolheu um caminho do meio no jogo, exibindo um compromisso com o Irã, mas procurando evitar dar a Israel uma razão para lançar uma ofensiva terrestre grande na Faixa de Gaza.
Egito, Arábia Saudita, Jordânia, países do Golfo e Turquia todos agiram em seus próprios interesses, enquanto a distanciar-se do conflito e olhando para evitar uma escalada regional.
Participantes do jogo todos agiram "muito racionalmente, ativação das políticas que foram conduzidas por interesses essenciais apenas, e ignorou constrangimentos internos e de fora", observou o INSS.
O jogador representando Israel concluiu que o público israelense seria capaz de absorver um conflito prolongado, devido à crença do público de que o ataque ao Irã foi justificado, e por metas operacionais foram alcançados.
  O jogador que representa a República Islâmica encontrou-se com ferramentas limitadas com que atacam diretamente Israel, confiando fortemente em proxies.
Teerã tinha mais ferramentas para tomar medidas contra os interesses dos EUA no Golfo e os preços do petróleo espiga, mas percebeu que o preço de envolver os EUA na luta seria imensamente alta.
O INSS disse que o jogo foi planejado no início deste ano, quando parecia que esta queda seria um momento decisivo para resolver a questão nuclear iraniana.
"Desde então, as coisas se acalmaram um pouco, mas depois das eleições, para a primavera, a questão de um ataque irá ressurgir. É, portanto, vital para continuar a analisar as possíveis conseqüências ", acrescentou.
Dentro do INSS, existem duas escolas concorrentes de pensamento em relação ao resultado de um ataque israelense ao Irã. O primeiro prevê uma grande guerra regional que poderia desenvolver para além da área. A segunda acredita que, devido à presença de mecanismos de imobilização, a capacidade do Irã para definir o Médio Oriente  é limitada.
The Jerusalem Post

6 comentários:

  1. DAN uma segestão abra um espaço para um breaking news fixo :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mafel, obrigado pela sugestão. Vou procurar saber como instalar este Breaking News.
      Valeu mesmo.

      Excluir
  2. As eleições americanas serão o ponto de partida para o ínicio fatal da temida Terceira Guerra Mundial!
    A falsa bandeira-Londres foi adiada por se alinharem com um plano mais abrangente, sim as eleições nos EUA!
    Londres obedece a interesses de banqueiros-judeus, e que nada melhor do que o verdadeiro plano, ainda muito melhor que um mega-ritual que quase ocorreu nas Olimpiadas-Londres 2012 para fazer melhor sentido para o que esta por vir!
    Um golpe militar no atual presidente Obama que certo será reeleito, vindo de banqueiros judeus da City de Londres que neste momento estão investindo milhões e milhões de dolares no atual cantidato concorrente de Obama, ele Mitt Romney.
    Mitt Romney será colocado no lugar de Obama em uma crise planejada ou um golpe de estado muito bem planejado por que? Porque ele é um radical e é a favor de um ataque ao programa nuclear Iraniano, mas como Obama vencerá as eleições eles ativarão o verdadeiro plano, sim um possível golpe militar contra Obama planejado pelo Lobby Sionista já infiltando em várias academias militares dos EUA para com isso obrigar a Casa Branca a intervir militarmente na República Islamica do Irã.
    E com a ajuda de um grupo de alto escalão já infiltrado no poder dos EUA, o lobby Sionista poderá assim começar a destruição dos EUA e mais contando com o uso de armamentos climáticos avançados em posse do governo americano, o lobby Sionista poderá assim criar uma grossa cortina de fumaça que coencidirá com uma data criada pela mídia o dia 21 de dezembro de 2012, para assim todos pensarem que é essa tal data do calendário Maia é a que foi a causadora de tanta destruição, mas não! Mais serão eles os banqueiros-sionistas que alcançarão um único e fatal objetivo com tudo isso, esse sim! É atacar o IRÃ!
    Tudo isso! Somente para isso! e nada mais!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo- que espetacular seu ponto de vista, também sou de acordo sobre tal ponto de vista exposto por ti neste seu coments.
      Alguma coisa maior está sendo planejada por meses e meses e no entanto, percebi que por ficar muito na cara qualquer ato de sacrifício humano nas Olimpíadas de Londres, esta elite modificou seus planos, assim como modificam conforme seus intentos.
      Creio que a partir de 2013 estará em marcha uma nova dinâmica na conjuntura internacional, um cenário muito mais perigoso do que foi durante a guerra fria está se levantando. Pra mim a verdadeira guerra fria está em curso, e ela é mais uma guerra escura pra sermos mais sucintos. Interesses dos banksters estão em curso e passam pela dinâmica geo-estratégica entre as grandes nações.
      O Oriente Médio é um dos principais palcos, se não já o seja o principal, onde além das cobiças por recursos energéticos, vai além de domínio estratégico sobre as nações que lá estão.
      Passa por Síria e Irã e envolvem, EUA, Israel e UE ( União Euroalienada com EUA ) os vassalos países árabes ricos em petróleo do Golfo e de outro lado, Estados mais simpáticos a Rússia e China, como Irã e Síria.
      Então faz muito sentido que tal cenário possa vir a surgir no rescaldo das eleições nos EUA amanhã.
      Não baixemos a guarda, tudo indica que os próximos meses um novo cenário pode estar em execução.
      2012 já deixou o pátio pronto para isso.
      Abraços

      Excluir
  3. Não se já foi viste esse vídeo, mas é interessante essa tecnologia Blue Beam

    http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=ixlb7HevTLA#!

    ResponderExcluir
  4. Obrigado Unknown vou dar uma olhada

    ResponderExcluir

Qualquer comentário que for ofensivo e de baixo calão, não será bem vindo neste espaço do blog.
O Blog se reserva no direito de filtrar ou excluir comentários ofensivos aos demais participantes.
Os comentários são livres, portanto não expressam necessariamente a opinião do blog.
Usem-no com sapiência, respeito com os demais e fiquem a vontade.
Admin- UND

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...